Livraria Lello inspira-se em "A Christmas Carol" para propor um Natal intemporal

José Saramago e os seus “herdeiros” em destaque na Livraria Lello
O Natal chega a 12 de novembro à Livraria Mais Bonita do Mundo, com novas instalações artísticas nas montras e no interior da Livraria e muitas surpresas na programação cultural.

Depois de uma pandemia que colocou em causa tudo o que tínhamos como garantido e limitou a celebração do Natal aos núcleos familiares mais restritos, o mundo anseia por um regresso ao mais típico desta época festiva – casa cheia, mesa farta e muita partilha de afetos.  A Livraria Lello parte de A Christmas Carol para propor que os livros contribuam para um regresso ao Natal tradicional.

Na obra de Dickens, o velho avarento Scrooge é visitado por três espíritos que o levam numa viagem, cruzando as fonteiras do tempo, para o fazer perceber que a magia desta quadra pode ser verdadeiramente transformadora. Sob o mote “O Espírito de Natal é Intemporal!”, a Livraria Mais Bonita do Mundo destaca o poder das memórias e das histórias que lhes dão forma, nas páginas dos livros, seus fiéis e eternos depositários.

Novas instalações artísticas nas montras e no interior da Livraria, sugestões de leitura, partilha de histórias e muitas surpresas na sua programação cultural prometem inspirar os leitores e visitantes físicos e digitais da Livraria Lello a viverem esta quadra com foco no essencial e muitos livros no sapatinho.

Livros estão tradicionalmente entre os presentes mais desejados

“Os livros são presentes fantásticos, capazes de trazer ainda mais magia ao Natal. Quando escolhidos a pensar na pessoa que os vai receber, materializam afetos e são sempre capazes de surpreender”, destaca a administradora da Livraria Lello.  Aurora Pedro Pinto convida os leitores e visitarem as livrarias nesta época, realçando que “oferecer livros é contribuir para acelerar a recuperação do setor livreiro, fortemente afetado pela pandemia”.

De facto, os meses de novembro e dezembro representam, a nível mundial, cerca de 20%* das vendas anuais de livros. E, de acordo com os dados recolhidos pela consultora Deloitte em oito países europeus (Portugal, Espanha, Itália, Inglaterra, Polónia, Holanda, Alemanha e Rússia), para o seu Estudo de Natal de 2019, o livro era, à data, o presente de Natal mais desejado. No mesmo estudo percebe-se que, em Portugal, a preferência por livros não é tão clara, mas ainda assim ocupavam o 3º lugar entre as prendas mais ansiadas.

Depois de um 2020 atípico que colocou as livrarias em sérias dificuldades e que, em Portugal, ao contrário do que se verificou em muitos outros países, representou uma quebra de 17% na venda de livros (dados da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros), o Natal afigura-se como um momento ainda mais importante para alavancar a recuperação do setor, que nos últimos meses se tem feito num ritmo lento.


*Dados da UK Publishers Association, do Painel das Vendas de Livros no Brasil e da Association of American Publishers