Livraria Lello desafia Luís Onofre a desenhar sapatilhas feitas com garrafas de plástico recicladas

Livraria Lello desafia Luís Onofre
Garrafas de água consumidas pelos colaboradores da Livraria ganham uma nova vida e pisam agora o chão da Livraria Mais Bonita do Mundo, nos pés dos seus livreiros.
 
Sustentabilidade ambiental, social e económica são os princípios que nortearam o mais recente projeto da Livraria Lello. Aquela que é considerada a Livraria Mais Bonita do Mundo lançou o desafio e Luís Onofre e duas empresas nacionais não hesitaram: o novo fardamento dos livreiros da Livraria Lello é 100 por cento made in Portugal, com material reciclado e sustentável. O resultado são sapatilhas e camisolas criadas de forma consciente.

As garrafas de água consumidas pelos colaboradores da Livraria Lello estão transformadas em sapatilhas que compõe a farda dos livreiros. A iniciativa resulta de uma aposta cada vez mais forte da Livraria Lello: o desenvolvimento sustentável.

A Livraria Lello “sonha com um mundo mais justo, mais digno, mais inclusivo e mais sustentável e, por isso, procura, em toda a sua atividade, o alinhamento com os objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos pela Organização das Nações Unidas. Nesse sentido, implementamos uma estratégia de sustentabilidade, da qual faz parte esta nova farda”, explica a administradora da Livraria Lello, Aurora Pedro Pinto.

A ideia nasceu já há vários meses. A implementação da nova estratégia de sustentabilidade pôs fim à compra de água em garrafas de plástico, para consumo diário dos colaboradores da Livraria Lello. Mas, o que fazer com as centenas de garrafas ainda em stock? A resposta surgiu em tom de desafio à Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos – APICCAPS, que prontamente ajudou a encontrar os parceiros ideais, alinhados com os valores da Livraria Lello em matéria de sustentabilidade. Luís Onofre desenhou as sapatilhas, o diretor criativo da revista Time, D.W. Pine, desenhou as sweats e as tshirts a convite da Livraria Lello, e as empresas Bolflex e Daily Day produziram os elementos da nova farda.
Livraria Lello desafia Luís Onofre

Para produzir os 40 pares de sapatilhas, a Bolflex, uma das maiores empresas portuguesas na área das solas, que há poucos anos criou uma unidade de reciclagem capaz de transformar diferentes materiais, utilizou 650 garrafas de plástico da Livraria Lello, para desenvolver as solas e as aplicações do calçado, que usam ainda pele de origem 100% vegetal. A farda da Livraria Lello fica completa com as sweats e t-shirts produzidas pela marca nacional de vestuário Daily Day, fabricadas em algodão de fibra-longa – um material natural, resistente e confortável –, com malhas concebidas e produzidas em Portugal.

Em termos de imagem, o novo uniforme inspira-se no projeto "Livraria Lello X Time: What Makes a Nobel?", uma instalação artística desenvolvida em conjunto com a revista Time, que está patente no interior da Livraria.  Assim, os sapatos apresentam apontamentos em preto e em vermelho; e as camisolas, cujo design é da responsabilidade do diretor criativo da Time, D.W. Pine, destacam os autores que compõem a oferta do primeiro piso da Livraria Lello, totalmente dedicado ao tema dos Prémios Nobel da Literatura. Em cada sweat e t-shirt figura o nome e os dois últimos números do ano de nascimento de um autor escolhido pelo próprio livreiro.

A produção das peças de vestuário e calçado seguiu as mais exigentes regras mundiais de sustentabilidade, com vista a causar o menor impacto ambiental possível.

Este projeto materializa, assim, a missão assumida pela Livraria Lello de fomentar o desenvolvimento sustentável em todas as suas vertentes, e pretende inspirar os milhares de visitantes que diariamente são recebidos por livreiros que “vestem a camisola” da sustentabilidade, agora de forma absolutamente literal. 
 

Fotografias: João Saramago