"Milkman" é o melhor livro do ano para o Man Booker Prize 2018

17 de outubro de 2018

A irlandesa Anna Burns é a grande vencedora do Man Booker Prize de 2018. O prémio foi entregue ontem em Londres com a presença de candidatos ao prémio, Kazuo Ishiguro, Prémio Nobel em 2017, Camilla Parker Bowles, Duquesa de Cornwall, entre outros 100 convidados. Milkman retrata a história na primeira pessoa de uma jovem de 18 anos vitima de assédio sexual por parte de um paramilitar irlandês na altura dos conflitos das duas Irlandas.

O terceiro romance da escritora mereceu a atenção do júri do Man Booker Prize de 2018. O livro de Anna Burns constava na lista da shortlist mas não era o grande favorito ao galardão, onde constavam nomes como Nick Drnaso, com o livro “Sabrina”, Guy Gunaratne, com “In Our Mad and Furious City”, Esi Edugyan com “Washington Black”, Donal Ryan com “From Low and Quite Sea”, Richard Powers com “The Overstory” ou Robert Robertson com “The Long Take”. “Sabrina”, de Nick Drnaso, apresenta-se como uma novela gráfica e é já descrita como a grande vencedora do maior prémio literário da língua inglesa.

A culminar nos 50 anos de Man Booker Prize, a organização decidiu distinguir um dos seus vencedores para o Golden Man Booker. o livro “O Doente Inglês” (1992) de Michael Ondaatje foi anunciado como o melhor livro deste meio século.

Anna Burns torna-se assim a primeira mulher a vencer este prémio desde 2013, sucedendo a George Saunders com “Lincoln in the Bard” cujas vendas aumentaram 1227% após o anúncio do prémio em 2017. Para a escritora irlandesa o caso deve ser semelhante visto que Milkman retrata um período conturbado do Reino Unido e expondo o assédio sexual, temas cada vez mais na atualidade.
A carregar
A carregar
Este site usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao prosseguir estará a consentir a sua utilização.            
Ver Mais