Charles Dickens – The Adventures of Oliver Twist
Bradbury & Evans - 1846


Sinopse
As Aventuras de Oliver Twist é uma sátira mordaz à sociedade impiedosa do século XIX e reflete todas as temáticas que ficaram associadas a Charles Dickens — a pobreza, o desespero, o medo, a tentação e o eventual triunfo do bem diante da grande adversidade.
Charles Dickens escreveu esta obra aos 25 anos, com o subtítulo The Parish Boy’s Progress. A primeira edição foi publicada entre 1837 e 1839 na revista Bentley’s Miscellany, sob o pseudónimo “Boz”. Esta história destaca-se por ser o primeiro romance inglês a ter uma criança como protagonista, sendo editada em 1838 em formato de livro, ainda antes da sua conclusão.


Biografia
Mencionar o nome de Charles Dickens (1812–1870) transporta-nos para romances eternos, que refletem um mundo onde o bem e o mal coexistem. Dickens foi o primeiro grande crítico social da sua Inglaterra contemporânea, retratando sobretudo um espaço urbano como implacável, marcado pela desumanização do advento da máquina e pela hipocrisia materialista.
Responsável por grandes obras-primas da literatura universal, como Um Conto de Natal, Grandes Esperanças, David Copperfield e As Aventuras de Oliver Twist, o autor deu vida a personagens icónicas e imortais, que serviram de inspiração para peças de teatro, musicais e filmes de sucesso.

Charles Dickens já alcançara fama com The Pickwick Papers, mas com As Aventuras de Oliver Twist, passado no auge da Revolução Industrial, viu a sua reputação consolidada, ao apresentar algumas das personagens mais persistentes do autor, como o próprio Oliver (que ousa pedir mais), o tirânico Bumble, o diabólico Fagin, o ameaçador Bill Sikes, Nancy e o «Artful Dodger».
A primeira edição desta obra surgiu num momento económica e socialmente difícil da história britânica, como resultado da Poor Law Amendment Act, em 1834, que conduziu à proliferação das workhouses – espaços onde as pessoas sem meios de subsistência eram colocadas a viver e trabalhar. Dickens critica assim as falhas neste sistema, uma vez que só aqueles que viviam nestas casas tinham direito a serviços como a saúde e a educação, alheios a outras pessoas de baixas condições que vivessem fora.


FunFacts
CHARLES DICKENS PUBLICOU ALGUMAS DAS SUAS OBRAS SOB PSEUDÓNIMO
Em 1834, Charles Dickens começaria a publicar sob o pseudónimo “Boz”. O nome teve origem numa das personagens do romance de Oliver Goldsmith, “The Vicar of Wakefield” (1766), posteriormente citado por Dickens em A Tale of Two Cities.

CHARLES DICKENS UTILIZAVA O SUSPENSE PARA PRENDER OS LEITORES ÀS SUAS OBRAS
Muitas das obras de Charles Dickens, de que é também exemplo The Adventures of Oliver Twist, foram inicialmente publicadas de forma seriada, em periódicos mensais ou semanais. O autor introduzia, assim, momentos de suspense em cada capítulo, para cativar os leitores e conduzi-los a comprar os números seguintes da história.

CHARLES DICKENS ERA UM CAÇA-FANTASMAS 
A época Vitoriana foi marcada por uma profunda crença na espiritualidade. De facto, Charles Dickens, juntamente com outros autores, entre os quais Arthur Conan Doyle e William Butler Yeats, integrou o Ghost Club, um grupo dedicado a investigar o paranormal e a expor fraudes.

A carregar
A carregar
Este site usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao prosseguir estará a consentir a sua utilização.            
Ver Mais