Lewis Carroll, Alice’s Adventures in Wonderland
Macmillan and Co. – 1866


Sinopse
Dizem que Alice viveu aventuras imaginárias e imaginadas, vindas da desordem do absurdo. Quem lê estas aventuras sabe bem como Alice viveu várias vidas que são também as nossas. Que o absurdo que a confronta também nos surpreende ao longo das nossas vidas, das nossas aventuras. Este livro é nada menos do que a toca de coelho que nos leva, pela mão de Alice, rumo a inesquecíveis maravilhas.
O livro foi originalmente impresso pela Clarendon Press em Oxford, em junho de 1865. Em julho do mesmo ano, o autor foi informado de que o ilustrador, John Tenniel (1820-1914), não estaria satisfeito com a qualidade da impressão, levando ao cancelamento da impressão de 2000 exemplares e à recolha dos livros já impressos.


Biografia
Nascido pela mente, coração e mão de Charles Lutwidge Dogson (1812–1870), ilustre matemático, Lewis Carroll é sinónimo de Alice e, nessa viagem, encontrou, para toda a humanidade, um máximo denominador comum de sonho e maravilhamento que, desde aí, responde pelo nome de Alice. Fugindo ao destino traçado por seu pai de se tornar sacerdote, refugiou-se em Oxford como professor de matemática. Livre das leis de Deus e para se libertar das regras matemáticas, trouxe para a sua vida adulta o encantamento pela prestidigitação e ilusionismo que já tanto o fascinava quando criança. O seu amor pela — então recentíssima – fotografia, que, demorando para revelar o positivo capturado no papel, trazia consigo o negativo de tantas emoções, representações e visões, deu vida à Alice que cada um de nós, irremediavelmente, consigo transporta.


Fun Facts
CARREIRA FOTOGRÁFICA
Lewis Carroll foi um reconhecido fotógrafo. Ao longo de quase duas décadas produziu mais de 3000 imagens fotográficas.

TEORIAS MATEMÁTICAS
Alice no País das Maravilhas satiriza as novas teorias matemáticas. Por exemplo, o enigma que o Chapeleiro Maluco coloca a Alice acerca das semelhanças entre um corvo e uma secretária procurava refletir sobre a crescente abstração a que a matemática do século XIX se estava a submeter.

ALUCINAÇÕES DE LEWIS CARROLL
Lewis Carroll sofria de uma rara doença neurológica, que causava estranhas alucinações e afetava a perceção do tamanho dos objetos, o que poderia fazer o doente sentir-se maior ou mais pequeno do que era – um tema recorrente no livro.

A carregar
A carregar
Este site usa cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência de navegação. Ao prosseguir estará a consentir a sua utilização.            
Ver Mais